maio 06 2013

Futuro

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Futuro

Futuro

 

Vejo no horizonte,

Meu futuro de fronte.

Por pouca ambição,

Subjuguei meu coração.

 

Sempre o alimentando,

Com sonhos escassos,

Tornando-o nefando,

Condenando-o ao fracasso.

 

Mas estou no presente,

E o futuro dormente,

Verá seu assalto,

No presente sobressalto.

 

Ainda vivo,

E este futuro sinistro,

Neste ponto decisivo,

Sou eu que administro!

 

 

Autor: Benedito Germano Neponuceno

Sexta-feira, 30 de julho de 2010.

Livro: Espírito Errante, volume II

Postado por Benedito Germano Neponuceno

No responses yet

maio 06 2013

Prazer sublime

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Quando em meus braços,

Seu corpo envolto,
Em minha mente traços,
Caminho revolto!

Sucumbindo ao desejo,
Sentido seu gosto,
Aproveito o ensejo,
Do seu corpo exposto.

Pelo meu simples querer,
Ao gozo sublime,
Levo-te ao prazer,
Sem crime.

Com uma felina,
Agora me domina,
Levando-me ao prazer,
O gozo a vencer.

De novo em meus braços,
Seu corpo envolto,
Em minha mente traços,
Novo caminho revolto!

Autor: Benedito Germano Neponuceno
Livro: Espírito Errante, volume II

Postado por Benedito Germano Neponuceno

No responses yet

maio 06 2013

Não desista!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

 
Cadê sua infindável vivacidade?
Empresto a minha em poemas,
Tudo para ver o brilho da felicidade,
E afastar os problemas.

Mera pretensão,
Sei de sua apreensão,
Diante da desilusão,
Findou-se a indecisão.

Sobrando a realidade,
Neste momento insólito,
Veja a verdade,
Do amor em delito!

A vida pelos olhos de uma criança,
Veja a vida com esperança,
Sempre a luz subjuga a escuridão,
Como tempo leva dor à submissão.
Autor: Benedito Germano Neponuceno
Livro: Espírito Errante, volume II
Data: 09/02/2012

Postado por Benedito Germano Neponuceno às 13:05

No responses yet

maio 06 2013

Vista

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Vista

Sobra o vento do norte,

a tremular a bandeira brasileira,

no elevado do mastro,

brandido na praça dos três poderes.

Ao fundo o lago Paranoá,

singrado pelos arcos de sua terceira ponte,

com o movimento frenético de pontos luminosos,

reflexos do sol a brilhar nos pára-brisas de automóveis.

Marolas a agitar suas águas turvas e escuras oriundas de barcos que o navegam.
Postado por Benedito Germano Neponuceno às 10:45

Espírito Errante, Volume II

 

No responses yet

maio 03 2013

Fim dos tempos

Sopra o vento sul,

Esconde o céu azul,

Acolá a tempestade,

Sobre minha cidade,

 

Chove em tempo de seca,

Seca em tempo de chuva,

Devastam o planeta,

Todos têm culpa.

 

Sofrem o mais pobre,

Desprovidos do vil cobre,

Fruto da ganância a devastação,

O que será da nova geração?

 

Vestindo a carapuça,

Reconheço minha culpa,

Por não ter ação,

Perdão nova geração…

 

Autor: Benedito Germano Neponuceno
Livro: Espírito Errante, volume II
Data: 22/06/2012

No responses yet

« Prev